O que realmente é baixa autoestima?

"Você é sua eterna companhia, não dá pra acordar, se jogar fora e não conviver consigo mesmo(a)"; confira quais fatores influenciam na autoestima, escrito pela colunista Grasiela Siqueira.

0
428
(Foto: Reprodução/Internet)

Quando falamos de autoestima, muitas pessoas pensam que só nos referimos a aparência física. Certo, mas autoestima também envolve:

Sensação de incapacidade

A pessoa não acredita que é capaz de realizar com maestria qualquer atividade, ou se dar bem em qualquer situação, exemplo: “nem vou tentar, vai dar errado mesmo”.

Perfeccionismo

Qualquer mínimo erro que a pessoa cometa, já pensa: “está vendo, eu faço tudo errado mesmo”, não consegue aceitar que somos humanos e podemos errar, aprender e recomeçar.

Hábito de se comparar com os outros

Tudo que a pessoa vai fazer repara como ela está em relação a outros: “fulano(a) é lindo(a) tem a barriga chapada e pele de bebê, enquanto eu sou uma baranga”. Beleza é muito relativa, pois o que é bonito para uma pessoa pode não ser para outra, se cuide!

Dificuldade de reconhecer suas conquistas

Quando tudo que a pessoa faz ou realiza, pra ela nunca é bom o suficiente.

Tendência a procrastinação

Fica adiando fazer o que é necessário, por acreditar que não vai obter êxito.

Timidez em excesso

A pessoa na maior parte das vezes tem receio de se expor, por medo de passar vergonha na frente dos outros.

Medo de rejeição

Medo de perder as pessoas que gosta, por qualquer coisa que elas falem, faça ou de não ser aceito por quem ela é.

Falta de confiança em si mesmo

É mais fácil para essas pessoas acreditarem em outras do que em si mesmas, sempre buscam opiniões para saberem se estão no caminho certo.

Baixa autoestima tem tratamento, sendo possível reverter com ajuda profissional!

Você é sua eterna companhia, não dá pra acordar e se jogar fora e não conviver consigo mesmo(a), comece a se amar e se valorizar de verdade, comprometendo-se em realizar-se no que almeja. Trace o caminho e tente, se não der certo pelo menos você não ficará pensando: “e se eu tivesse feito?”; “e se eu tivesse falado?”; “e se eu tivesse realizado?”, viva novas experiências, conheça o seu perfil e veja o que você é compatível e capaz.

Autora: Grasiela Siqueira
Psicóloga
CRP 06/119271
grasi.fsiqueira@gmail.com
(19) 99320-2353
Rua Luiz Delbem, 170 – Centro – Americana/SP
Insta: @umapsicologa_me_disse

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui